Cancro da Mama durante a Amamentação

Fui diagnosticada com cancro da mama a 2 de Março de 2016. Foi uma notícia devastadora, que ninguém espera nem deseja receber. Nesse dia li o resultado da biópsia. Apesar de não ter percebido a maior parte do que estava escrito, a palavra “carcinoma” diz tudo. Nesse dia chorei muito. Senti medo, desespero, injustiça. Pensei nos meus filhos. Pensei nos meus filhos sem mãe; no meu companheiro sem mulher. Nesse dia continuei a minha vida normalmente – fui buscar o meu filho à natação, fiz o jantar que tinha planeado, comi o bolo que me aguardava na despensa. Aquele seria o último dia “normal” antes de iniciar a minha viagem pela cura.

No dia seguinte, comecei uma dieta muito rigorosa: sem açúcar, sem glúten, sem laticínios, sem soja, sem carne, sem café, sem bebidas alcólicas. A maior parte da comida ingerida seria crua. A minha alimentação já tendia para o veganismo, mas nunca fui uma mulher de extremos (ocasionalmente gosto da minha hamburger, do meu bolo cheio de açúcar!). Agora teria que provar a mim mesma a enorme força de vontade que tenho.

Comecei o “Diário da Cura”, onde anoto todas as minhas refeições diárias, todos os exames que faço, todos os sentimentos mais fortes, todas as sensações físicas, todos os processos que me ajudam na cura.

O Diagnóstico

Em Agosto 2015, senti um caroço na mama esquerda. Na altura estava a amamentar o meu filho de 10 meses. Fui à médica e ela sentiu o caroço e empastamento. Mandou-me fazer uma eco mamária e uma mamografia. Fiquei assustada, principalmente porque quando se pesquisa “empastamento” no Google aparece logo a palavra CANCRO. Fiz os exames de imediato e os resultados foram inconclusivos. Atribuíram as mudanças na mama ao fato de estar a amamentar. Aconselharam-me repetir a eco mamária daí a seis meses por descargo de consciência. E eu continuei com a minha vidinha durante seis meses. O caroço não me incomodava e esta mama fora sempre muito densa e pesada. Deixei de amamentar entre Outubro e Novembro. Em Fevereiro, seis meses após os primeiros exames, notei que sangrava ligeiramente do mamilo. Marquei consulta com a médica. Ela não queria marcar nenhum exame pois eu teria que estar seis meses sem amamentar para os exames serem verdadeiramente conclusivos. Ou seja, só poderia fazer os exames agora em Abril. Não me senti confortável. Acho que o meu instinto começou a dar a alerta ao meu corpo de que algo não estava bem. Insisti para me passar o pedido médico.  Afinal de contas, sou eu que pago os exames. Essa semana foi muito dolorosa. Fiz a eco mamária e o médico disse logo que não gostava do que estava a ver. Mandou-me fazer mamografia logo na altura. Fiz a mamografia e depois esperei sozinha num cubículo deprimente pela sentença do médico. Depois de analisar a mamografia, o médico disse-me que havia uma probabilidade (alta, pela expressão facial e corporal dele) de aquilo ser cancro. Pediu uma ressonância magnética com urgência e também uma biópsia. Fui para casa e chorei no colo do meu companheiro. Cancro é uma palavra tão devastadora, tão pesada como a morte. Fiz a ressonância magnética e depois a biópsia. Tive que fazer duas biópsias – uma na mama e outra na axila. Foi nesse dia que eu percebi que isto não era uma simples inflamação causada pela amamentação, era algo bem mais sério. Esperei oito dias pelo resultado da biópsia. Vivi a minha vida normalmente, tentando não pensar muito nisso, mas já me estava a preparar emocionalmente pelo resultado. De certa forma, eu reagi melhor do que algumas pessoas. Para mim não foi uma surpresa, nem um choque.

Nestes dois meses, já fiz 8 exames diagnósticos: 1 eco mamária, 2 mamografias, 1 ressonância magnética, 1 cintigrafia óssea, 3 TACs. Levei contraste intravenoso por 2 vezes e bebi 2 litros de contraste. Fiz 5 biópsias (em duas vezes) e levei 4 marcações pré-cirúrgicas (pequenas tatuagens de carbono que inseriram na mama para delimitar o perímetro da doença). Tenho a mama fragilizada,  dorida, come se tivesse sido pisada cruelmente. Antes destes exames todos, não sentia nenhum desconforto nem dor. Agora, tenho dificuldade em ver e tocar na minha mama. É como se a mama tivesse vergonha de mim, por estar doente. Não gosto de tocar na mama e sentir os nódulos, pois não estou a sentir nódulos, estou a sentir cancro e eu não gosto dessa sensação.

O diagnóstico final ainda desconheço. Tenho um tumor de 11cmx5cm, que os médicos biopsaram novamente para se certificarem que a massa é toda maligna. Como me disse a médica, “o seu tumor é bizarro”.  Aguardo para saber se este tumor bizarro é todo mau.

Diagnosticar o cancro da mama enquanto se amamenta é um desafio. As mamas inchadas pelo leite escondem estes bichinhos. Pela parte que me toca, tenho a consciência livre. Fui ao médico ao primeiro sinal e insisti para refazer os exames na altura adequada. Não poderia ter feito mais para ter sido diagnosticada mais cedo.

A Cura

Para além do tratamento convencional pelo qual terei que me sujeitar para sobreviver a este diagnóstico, só eu tenho o verdadeiro poder de me curar. O primeiro e mais importante passo é ter vontade de me curar. A seguir, é importante perceber porque isto me está a acontecer. Não de uma forma de vitimização, mas sim de auto-consciencialização.
Não encaro este diagnóstico como uma sentença de morte, mas sim como uma chamada para a vida. O meu corpo não está satisfeito com as escolhas que tenho feito na minha vida e luta desesperadamente para eu reagir. Há muitos hábitos que já estão enraízados que me prejudicam: hábitos alimentares, vícios alimentares, hábitos de sedentarismo, relações tóxicas, sentimentos de insegurança, sentimentos de impotência, sentimentos reprimidos que querem gritar e escapar do meu coração. O cancro está localizado na mama esquerda, por cima do meu coração, onde guardo e escondo estes sentimentos tão tóxicos para mim. É como se estes sentimentos todos se tivessem unido e se metamorfoseado numa massa cancerígena. O meu corpo e alma sentem-se estagnados. A minha vida estava estagnada. A nível profissional, não me sentia realizada. Pelo contrário, sentia-me perdida, insegura, infeliz, desesperada. Não tinha noção de que esse aspeto era fundamental e tinha muito peso na minha vida. Na verdade, todas as peças têm que se encaixar em harmonia para nos sentirmos plenamente realizados e felizes. Para não morrer, preciso de procurar dentro de mim, libertar o meu verdadeiro Eu. Preciso de iniciar um percurso de auto-conhecimento e de amor próprio. Nestes 33 dias, cortei com os vícios alimentares (nada descontrolado, claro!) que me davam uma sensação ilusória de bem-estar. O café para ter energia e o açúcar para me sentir melhor. Fiz as pazes com pessoas importantes na minha vida com quem eu estava de relações cortadas. Nestes 33 dias, as amizades de muitos anos fortaleceram-se e as novas amizades surpreenderam-me. Sinto-me emocionada pelo carinho e amor incondicional que tenho recebido.  Nestes 33 dias, tenho ido para a cama mais cedo (falta de café!) e, por isso, durmo mais e melhor. Acordo mais cedo, antes do despertador, e estimo esse tempinho só meu. Por vezes, fico deitada na cama a pensar e meditar; outras vezes levanto-me e vou fazer o pequeno-almoço. Comecei a fazer ioga e a meditar, que eu andava há anos a protelar. Com dois filhos, não tenho tempo para isso, era o que eu dizia. Quando queremos, quando sentimos que é essencial para o nosso bem-estar, encontramos maneira de conseguir.

Houve um momento durante o diagnóstico que me marcou profundamente. Antes disto me acontecer, nunca tinha conseguido meditar porque tinha a mente cheia de pensamentos e preocupações. Durante a cintigrafia óssea, fechei os olhos e visualizei cada parte do meu corpo saudável e forte. Imaginei o papel fundamental que cada parte do meu corpo tem para mim (pernas para andar, braços para abraçar, estômago para me nutrir, cérebro para guardar as minha memórias, boca para saborear a comida e beijar). Senti uma sensação estranha, como se a minha alma/o meu ser estivesse fora do meu corpo e o possuísse. Senti o meu corpo saudável e forte. Senti o meu corpo a dizer à minha mente que estava saudável. Eu senti-me mais forte e apaziguada que alguma vez senti. Não houve dúvidas nenhumas em relação aos resultados do exame – os ossos estão limpos. Aconteceu-me o mesmo (não de forma tão profunda por não ter sido a primeira vez) quando fiz as TACs (torácica, abdominal e pélvica). A minha mente entrou em sinergia com o meu corpo e senti-me completamente (tirando o pormenor do cancro na mama, claro!) livre de doenças. O resultado veio confirmar isso. Nunca tinha estado tão presente com o meu interior. Nunca tinha comunicado com o meu corpo. Antes, sentia o meu corpo como um recipiente que eu usava para viver neste mundo e não uma parte integrante da minha alma. Esta doença está a ser um grande processo de crescimento pessoal, de aprendizagem, de eu me sentir confiante e com poder. Nunca me senti tão bem, tão confiante, com tanta energia, com um sentimento forte de ter total poder sobre a minha vida e o meu corpo.

A partir de agora, eu serei melhor pessoa, sentir-me-ei mais realizada, serei mais saudável e mais forte, a minha vida será mais maravilhosa. Encaro esta experiência não como o que o cancro tirou de mim (a mama, possivelmente), mas sim o que o cancro me ofereceu. Não tenho raiva do cancro, mas não o vou deixar encontrar no meu corpo um lar.

Não sinto raiva.
Não sinto medo.
Sinto-me em paz.
Sinto-me forte.

Eu sou mais forte que esta doença.
Vou vencer esta doença, ela não me vai vencer a mim.

Advertisements

16 thoughts on “Cancro da Mama durante a Amamentação

    • Mami Coração diz:

      Grata Patrícia! Eu estou a passar por uma experiência maravilhosa em termos de me conhecer melhor. Falo com o meu corpo e com o cancro e sinto-me cada dia mais forte. Acredito que sim, também sei de histórias impressionantes. A nossa força de vontade e o poder da nossa mente são extraordinários! Beijinho grande

      Gostar

  1. Cátia Abreu Pereira Vieira diz:

    Obrigada pelas suas palavras! Penso que é isto mesmo… um alerta para nos fazer voltar ao que realmente nos preenche e não a ilusões. Porque se temos espaço livre em nós e não somos nós que escolhemos com que o preencher estamos no risco de qq coisa nos preencher… E a desculpa do tempo é exactamente isso, desculpa…
    Sou crente, católica, e acredito que Deus nos dá a cada um de forma personalizada, tudo o que precisamos para sermos plenos. Mas sem imposição, com total liberdade nossa. No entanto, tenho de estar consciente do que quero, do que desejo, de como quero estar!
    Obrigada e sei que já está em processo de curo, não necessariamente do cancro, mas de vida! Força!

    Liked by 1 person

    • Mami Coração diz:

      Obrigada pela sua mensagem. As escolhas são nossas. O tempo é nosso, o corpo é nosso, a vida é nossa. Cabe-nos a nós decidir o que fazer com isso. Beijinho grande

      Gostar

  2. Maria Isaltina Ferreira Caessa diz:

    conheci uma menina (e acompanhei o processo) que nasceu com as artérias do coração trocadas.A possibilidade de viver e aguentar a cirurgia eram poucas….a menina estava muito debilitada…hospitalizada no hospital de S.João no Porto…passei uma noite com os seus pais a rezar e com velinha acesa onde eu disse se a vela não se apagar até de manhã temos Sofia…a taça em vidro estalou o azeite derramou mas o pavio manteve se aceso…corremos para o hospital e ela tinha resistido a tratamentos e exames……..aos 8 meses mais ou menos esta menina foi para a Holanda onde lhe fizeram a devida cirurgia para rectificar e pôr as artérias como deve ser…..muito sofreu esta bébé e seus familiares e ela venceu…….esta história é tua…..como não vais vencer outra vez? tiveste 2 bébés em desacordo com a tua situação….tu és uma heroina,uma força da Natureza………podes crer admiro te muito(muita coisa não sabes)…….minha querida esta é mais uma escalada na tua vida……mais uma prova que tens que fazer……..não é qualquer um que tem a capacidade de aguentar e enfrentar situações destas…….como disse esta menina é especial nada te derruba……..tu é que vais ultrapassar esta situação………….acredita no que te digo……não é qualquer um que é elegido para suportar tanta aflição…..tu és uma eleita……..força minha linda…quando isto passar vais me dar razão………..tu nasceste com uma força fora do comum…….tu és um Ser muito Especial………por aqui todos te amamos e queremos te acarinhar……..procura nos quando assim o desejares……….AMO TE SOFIA

    Liked by 1 person

    • Mami Coração diz:

      Tina, muito grata pela tua mensagem de força e amor. Sei que a vida nos afastou muito, mas sinto verdadeiro carinho nas tuas palavras e isso é muito importante para mim agora. Desejo tudo de bom para ti, pois tu também és uma mulher muito forte. Beijo

      Gostar

  3. Micaela Souto Moura diz:

    Minha linda !!
    Depois de te ler, vem-me à mente a CORAGEM! Osho, um pensador e meditador moderno, com quem muito me identifico diz algo muito interessante sobre ela:
    “A flor nos mostra o caminho, à medida que a sua paixão pela vida a conduz para fora da escuridão, para o mundo da luz.Não há nenhum sentido em se lutar contra os desafios da vida, ou evitá-los ou negá-los.Eles estão aí, e se a semente deve transformar-se na flor, precisamos passar por eles. Seja corajoso bastante para transformar-se na flor que você foi feito para ser!”
    Eu sinceramente já vejo a “flor” a deixar crescer a sua primeira pétala ;-)!!, a coragem em ti! TU és a cura…!!

    Liked by 1 person

    • Mami Coração diz:

      Prima, que bonita surpresa a tua mensagem. Lindas essas palavras do Osho. E lindas as tuas palavras. Eu sinto isso. Independentemente do tratamento que irei fazer, eu já iniciei o processo da cura. Tenho falado com o meu cancro, não com ódio, mas com calma e amor, e digo-lhe que percebo a existência dele. Grande beijo para ti prima Micaela

      Gostar

    • Mami Coração diz:

      Tina, obrigada pela tua mensagem carinhosa. Aliás, tenho recebido tantas mensagens de amor. Estou emocionada! Para já, preferia ter um pouco de espaço. Sei que vais respeitar esta necessidade. Mas, estou grata pela tua mensagem, pelas palavras que usas sobre mim e o meu percurso. Beijinho tia

      Gostar

  4. Maria Isaltina Ferreira Caessa diz:

    sim minha querida……..respeito…………mas não te esqueças que estou aqui se necessitares….bjokinhas para ti,filhotinhos lindos como a mãe e teu marido……estou sempre aqui

    Gostar

  5. rute moura diz:

    Minha querida prima grandes batalhas so se dão a grandes guerreiros….e foi o que tu sempre foste….por isso sei que esta batalha será mais uma que irás ganhar na tua vida e que te fará crescer enquanto pessoa e fazer de ti uma pessoa mais forte. Apesar de longe cá estarei como personagem secundária neste grande desafio da tua vida para tudo o que precisares…beijinhos muito grandes desta prima que te adora!!!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s